terça-feira, 25 de agosto de 2009

Faz sentido viver?




Diante de tudo que o desafia, diante de toda tecnologia e diante de todo conhecimento adquirido desde seu surgimento, o ser humano tem demonstrado em algumas áreas uma habilidade impressionante para vencer, superar e crescer. Faz alguns dias o jamaicano Bolt, um verdadeiro raio humano desafiou seus próprios limites , quebrando mais uma vez o record de velocidade corrida em 100 metros, superou a si mesmo uma vez que ele era o detentor da marca anterior, que acreditava-se dificilmente seria superada, foi.
O espaço já foi o limite, as galáxias agora nos desafiam a irmos mais longe, as enfermidades aos poucos vão cedendo e as vacinas são formuladas evitando que tantos morram de maneira abreviada. A medicina biotrônica já cria próteses que se movem por ondas elétricas emitidas de nossos pensamentos, os computadores abreviam nosso tempo na diversidade de nossas tarefas e faz-nos crer que 1 minuto hoje é um tempo infindável .
Mas mesmo diante de toda essa e outras conquistas, O ser Humano continua em busca de um significado, uma razão por viver. Há um senso de pertença que está perdido, há uma necessidade de partilhar que está se “incompletando” a cada dia e que faz surgir lá dentro , no âmago do ser a pergunta que não quer calar “ Faz sentido viver?”
Será que tanto avanço, tanta tecnologia, tanto conhecimento, tanta ciência ainda não podem responder a essa simples pergunta? Há sentido em viver? Escutei o Pr Rick Warren dizer certa vez “ Eu teria que ter muita fé para acreditar que essa complexa máquina que é o Ser Humano e tudo que o rodeia surgiu apenas de uma combinação de elementos, uma geração expontânea.” Me associo com ele, não sou crente o suficiente para crer nisso!
O coordenador do projeto Genoma internacional Francis Collins diz em seu livro a linguagem de Deus que o “ Universo foi preparado nos mínimos detalhes para receber a vida humana” Collins que decifrou a linguagem do DNA humano, crê em uma evolução criacionista e diz que a luta incansável de homens como Richard Dawkins e Daniel Dennett para tentar convencer a existência de Deus é infantil e desnecessária. Cientistas como Collins tem demonstrado que entenderam claramente que a vida não pode ser gerada a partir do acaso. Como Dizia Pascal “ Essa sinfonia que é o universo precisa ter um regente”
Eu creio como Collins que a vida humana é o ápice da criação de Deus e que Ele, em sua majestade criou um universo para refletir a Sua glória. Por mais que o Ser Humano avance em todas as áreas, cresça em todas as ciências, se aprofunde em toda filosofia, será sempre perseguido pela mais simples das perguntas : Faz sentido viver? . Faz, faz e muito! A vida é uma expressão do amor de Deus a criação reflete o desejo de Deus de estar na presença de Sua criação e nós, somos parte dela e na realidade somos a obra prima da criação de Deus. Segundo o profeta Zacarias Porque assim diz o SENHOR dos Exércitos: ‘Ele me enviou para buscar a sua glória entre as nações que saquearam vocês, porque todo o que tocar em vocês, toca na menina dos olhos dele’. Zc 2:8
Sendo parte tão especial da expressão e desejo do criador, eu me sinto lisongeado e essa crença se alarga e se aprofunda quando percebo nas linhas sagradas que Deus enviou seu filho ao mundo para que todo aquele que nele crer tenha a vida eterna Jo 3:16 Existe um Pai celestial, um criador que é largo em misericórdia e me sinto abraçado por Ele e com Ele. Quando encontramos a Deus nosso ser se completa, nossa procura cessa, nosso tormento se encerra pois estamos de volta na casa do Pai.
A Única coisa que pode calar esta pergunta é quando encontramos a Cristo e passamos a viver lado a lado com Ele. Nosso ser se reencontra com o criador, recebe dele o amor, aprende com Ele a adoração, é motivado por Ele a servir, desenvolve a partir dEle a comunhão, almeja chegar à Sua imagem e por Ele é motivado a ir e entregar sua Palavra ao mundo. Assim completamos nosso propósito e encontramos em sua plenitude a razão de nossa existência. Por isso que aquele que anda com Cristo já respondeu a essa pergunta de maneira clara e objetiva: Claro que faz sentido viver, Jesus é a minha vida!

5 comentários:

João do Catro disse...

Sou cristão, mas ainda não consigo compreender isso. Sendo sincero, penso que essa vida não faz sentido algum.
Nascemos, vivemos, trabalhamos, suamos, envelhecemos e morremos. Obviamente, temos momentos bons e momentos ruins durante toda nossa história.
Mas me afirmo após longas reflexões: nada disso vale à pena.
Seria muito melhor se nós simplesmente morássemos com Cristo no paraíso. Sim, isso faria todo sentido.
A única coisa que me motiva a viver nesse momento é Cristo. Aí é que está o problema! Esse mundo não faz sentido algum! De que vale isso tudo?! Não seria melhor que morresse?

Jaqueline Steinbach disse...

A Natureza não faz qualquer sentido, em outras palavras, Ela não é teleológica, não tem qualquer finalidade. Existimos e, porque temos consciência disso, questionamos a nossa própria existência e, com isso, a existência de todas as outras coisas. Indagamos, então, coisas como essa de que a vida e qualquer outra coisa não faz o mínimo sentido. Indagamos porque pensamos e porque pensamos existimos, existimos até o instante em que não pensarmos absolutamente nada. A morte é isso, qual seja: a ausência do cogito, onde não há senão o vazio absoluto. Não há como entender o âmbito da morte, pois a consciência só alcança onde as dimensões instrumentais e materiais são possíveis, ou seja, o mundo prático. Existimos em um lugar que se expande com o tempo e com o tempo um dia acaba, termina lá naquele Nada metafísico. Existimos por quê? Para quê? Não existimos para nada e, assim também, nossa existência não tem qualquer finalidade. O que somos? Nada! Somos algo, pois no Nada não tem um cogito. Somos o quê sem um porquê e sem um fim? Nós, porque pensamos, é que damos uma razão para viver baseado em objetivos práticos. Não precisamos de ilusões, ou melhor, não precisamos criar ilusões que não raro podem nos prejudicar.

Anônimo disse...

Inteligentíssima sua resposta. EU sou assaz inteligente e realmente gostei de suas idéias. Parabéns pelo seu intelecto.

Allan Duarte disse...

Começou tão bonitinho o texto parece realmente entender a questão então... como toda pessoa mediana cai no preencher o espaço vazio com algo imaginado.

Infelizmente a vida não faz sentido e eu desperdicei alguns bons anos desde o colégio para fundamentar isso era só uma suposição algo que eu sentia na penumbra da noite era só uma percepção do matrix que ocorria ao observar uma mundana situação do cotidiano.

É ver aquelas torres gêmeas caindo, corjitar a hipótese de irreal, teorizar conspirações sobre ou aceitar a versão da mídia no fim é só um nada niilista sem propósito a destruição de algo que não existe de fato.

Nós não existimos diferente do que a moça que comentou sobre o existir afirma, a verdade é que cada fração de segundo os nossos átomos estão alinhados de forma diferente é uma inconstância ao acaso então o que eu sou quando comecei esse texto não sou mais agora, é impossível quantificar a vida é impossível defini-la em verdade, posso apenas afirmar que não existo pois a evidência que tenho nesse momento de quem sou eu se esvai em seguida e nada posso fazer.

Não pense que estou alegre de afirmar essas coisas, de espalhar absurdos e tirar a vontade dos outros pela vida mais acho mais descente do que o oposto, espalhar mentiras infantis para fingir que a vida faz sentido, é muito fácil fingir que deus existe e que vou viver eternamente difícil é aceitar estar sozinho no universo e que vou deixar de existir para sempre.

Anônimo disse...

Tudo o que você falou faz sentido pra mim